Google+ Badge

sexta-feira, 25 de março de 2011

20 milhões


 O antes e o depois da Marina. 


Agora ela briga pelos votos que são do povo e por sinal votos muito volaties


 SÃO PAULO - Em conflito com o comando do PV, a ex-senadora Marina Silva (AC) reuniu-se na noite de ontem com seus aliados para definir a estratégia para aumentar a participação nos rumos do partido e democratizar as decisões. Marina divulgou um texto, antes mesmo da reunião, exaltando os quase 20 milhões de votos que obteve na campanha presidencial, em 2010. No texto, a ex-senadora diz que os votos representaram a expectativa depositada nela de "fazer uma mudança profunda na política".

Marina acusou os dirigentes de sufocar a "pouca democracia" existente no partido, em crítica ao grupo do presidente da sigla, deputado José Luiz Penna (SP). Sem citá-lo, Marina atacou sua manobra para prorrogar o próprio mandato no partido por mais um ano. "Não creio que o aprofundamento da democracia possa ser feito através da supressão, mesmo que temporária, da pouca democracia ainda existente", disse no texto.

A ex-senadora reforçou o descontentamento com o comando atual. "Se deixarmos de lado a renovação política dentro do partido, acabou-se a moral para falar de sonhos, de ética, de um mundo mais justo e responsável com o meio ambiente. Podemos até continuar falando, mas soará falso, como voz metálica de robô." No fim do artigo, porém, afirma que pretende ficar na sigla. "Reafirmo meu desejo de permanecer neste PV, contribuindo para o seu crescimento e qualidade política."

Na reunião na noite de ontem, em São Paulo, Marina discutiu com integrantes do partido que lutam pela renovação de programa e quadros ainda este ano se reúnem em São Paulo estratégias para tomar o comando do PV. O grupo, chamado de "Transição Democrática", é composto por dirigentes e parlamentares. Entre eles estão os deputados federais Alfredo Sirkis (RJ) e Roberto Santiago (SP), os deputados estaduais Beto Tricoli (SP) e Aspásia Camargo (RJ), a ex-senadora e ex-presidenciável Marina Silva, o presidente do partido no Estado de São Paulo, Maurício Brusadim, os ex-candidatos a governos estaduais Sérgio Xavier (Pernambuco) e José Fernando Aparecido (Minas Gerais) e o ex-candidato ao Senado por São Paulo, Ricardo Young.
(Vandson Lima | Valor)

Caindo aos pedaços

Executiva Nacional do DEM dissolve diretório em São Paulo


BRASÍLIA - A Executiva Nacional do Democratas (DEM) decidiu hoje dissolver o diretório regional de São Paulo. A medida é consequência da decisão do prefeito Gilberto Kassab de deixar a legenda para fundar o Partido Social Democrático (PSD).

Ao mesmo tempo em que dissolveu o diretório, o partido abriu um prazo de sete dias para que os seus representantes paulistas possam conversar e recompor o novo comando do DEM no Estado. "Temos 70 prefeitos, uma bancada representativa e, agora, vamos buscar o entendimento", disse o deputado Ônix Lorenzoni (RS), integrante da Executiva Nacional.

Para ele, a partir de agora, acaba qualquer influência de Kassab sobre os democratas de São Paulo. "A chance de se emplacar algum político próximo de Kassab no novo diretório é zero", afirmou.

(Agência Brasil)


Um disse que é inquestionável o outro que frustrou a sociedade. 

 Sarney: Decisão do Supremo sobre Ficha Limpa é inquestionável
 
BRASÍLIA - O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse, ao chegar nesta quinta-feira à Casa, que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de anular a aplicação da Lei da Ficha Limpa nas eleições de 2010 é inquestionável, mas vai gerar frustração na população.

"Essa lei foi muito discutida e, sobretudo, ela teve a finalidade de purificar o processo eleitoral, mas o Supremo interpretou diferente, e nós temos que aceitar a decisão", disse Sarney.
 
 

OAB diz que decisão do STF sobre Ficha Limpa "frustrou a sociedade"

 
SÃO PAULO – O presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, afirmou há pouco em nota que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de adiar a aplicação da Lei da Ficha Limpa para as eleições de 2012 “frustra a sociedade”.
“Embora o sentimento da sociedade seja de frustração, tal fato não significa uma derrota porquanto a lei do Ficha Limpa é constitucional e será aplicada às próximas eleições”, declarou.
Cavalcante pondera que, “independentemente da eficácia jurídica, a lei do Ficha Limpa foi importante do ponto de vista da conscientização do eleitor sobre o seu papel na escolha de candidatos”.
(Téo Takar | Valor)

Nenhum comentário: