Google+ Badge

sábado, 24 de outubro de 2009

Curiosidades - Modificação corporal enfrenta preconceito nas ruas e proibição nas leis


Rodrigo Bertolotto
Do UOL Notícias

Em São Paulo
Esta é daquelas reportagens com a recomendação "não tente fazer isso em casa". Se o conselho partisse do sindicato de tatuadores, a mensagem seria "não faça em nenhum lugar." A onda de modificação corporal veio da Europa e dos EUA (onde é chamado de body modification) e é praticada por quem já não se contenta em pintar a pele e aplicar piercings nos lugares tradicionais
Aplicar chifres de silicone na testa, cortar o lóbulo da orelha e alargá-lo até que ele sirva de porta-latinha, dividir a língua ao meio, voar suspenso por ganchos de aço na pele, implantar esferas no pênis, dilatar mamilos, operar o lábio e as maçãs do rosto para ganhar feições felinas. São algumas das alternativas para os "primitivos modernos", esses jovens urbanos que modelam o corpo evocando incisões que egípcios, maias, polinésios, africanos e indianos faziam e fazem há milênios.

"Qualquer técnica que inclua incisão e implante podem gerar um inquérito por exercício ilegal da medicina. Usar bisturi e espátula e embutir coisas sob a pele é coisa para médicos", opina Ronaldo Sampaio, conhecido como Snoopy e como o vice-presidente do Sindicato de Estúdios de Tatuagem e Body Piercing do Estado de São Paulo.

A entidade defende a aprovação pelo Congresso do projeto de lei 2104/07, que tenta regulamentar a profissão, sem incluir as modificações. Mas outro projeto já foi aprovado pela Câmara Federal, obrigando supervisão médica em toda a atividade (leia texto completo em quadro abaixo).

A posição do sindicato é controversa, principalmente dentro desse universo. "Cada um tem seu método. Eu estou trazendo para o Brasil técnicas que foram desenvolvidas lá fora. Não pode haver só a técnica oficial do sindicato", argumenta André Fernandes, que dá palestras pela América do Sul acompanhado de um colega argentino e outro chileno.

Entre os ensinamentos dos simpósios de André estão temas como scalpelling (cortar com escalpelo), branding (tatuar queimando com metal quente) e skar (desenhar cicatrizes).

Um festival reuniu neste mês em São Paulo os adeptos da modificação corporal. Um deles era Thiago Costa Barros, 22, técnico em enfermagem e estudante de veterinária.

Na testa, ele tem dois cornos ("Os animais tem como proteção. E eu me identifico mais com eles que com os humanos"). Nos braços, vários implantes que dão relevo as suas tatuagens ("Não é só pela estética. Eu me sinto melhor, me completa"). A língua foi bifurcada ("Queria um semblante mais maléfico, sempre fui ligado a coisas mórbidas"). No pênis, colocou cinco esferas ("Fiz quando estava solteiro e promíscuo. Dizem que aumenta o prazer da mulher em 40%. Minha namorada gosta"). Nos planos, extirpar os mamilos ("Fica bonito. Só não fiz porque só um venezuelano faz isso e estou esperando ele vir ao Brasil").

Como Thiago, Nelson Pereira também trabalha como piercer (ou perfurador corporal, nome mais castiço dado pela regulamentação). Mas Pereira está dilatando seu mamilo. Junto com seis esferas que incrustou na genitália, são suas operações para "aumentar o prazer". Ele planeja ainda perfurar o saco escrotal e a concha do ouvido. "Tenho medo da dor. Só ela me impede de fazê-lo", diz o rapaz de 28 anos.

"Eu queria ficar diferente. E uma coisa leva a outra. Hoje é uma necessidade", explica Pereira a razão de sua metamorfose. Para completar, ele também é praticante da suspensão - um sistema com gancho de aço cirúrgico e cordas ergue o adepto a partir de perfurações na pele das costas. "É melhor do qualquer droga. Bate uma endorfina que você só sente dor quando volta para o chão", relata.

Leia a reportagem completa Aqui

Nenhum comentário: