Google+ Badge

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Me engana que eu gosto


Eleição

Quatro postulantes à presidência do partido não querem aliança com o PMDB

Dos cinco candidatos à Presidência do Partido dos Trabalhadores (PT) que participaram de um debate com dirigentes e militantes do partido no Hotel Sagres, ontem à noite em Belém, quatro defenderam o rompimento do PT com o PMDB em todos os níveis nas eleições do ano que vem. Ao se pronunciar, o candidato Renato Simões chegou a enfatizar: "O PT do Pará não pode saber por um jornal que terá que engolir os Barbalhos". Ele também defendeu candidatura própria do PT do Pará ao Governo do Estado e não um candidato com "sobrenome Barbalho". Também posicionaram-se contra coligação com o PMDB os candidatos Paulo Teixeira, Markus Sokol e Valter Pomar. O candidato Rui Falcão, atual presidente nacional do PT, não se manifestou sobre essa coligação. O sexto candidato, Serge Goulart, não veio a Belém.

Rui Falcão destacou à Imprensa que o PT estadual realizou dez plenárias regionais e dois encontros, os quais indicaram a coligação prioritária com o PMDB no Pará e o nome do ex-deputado federal Paulo Rocha como candidato majoritário nas eleições no Estado. Entre os candidatos a presidente nacional do PT, o ponto comum é a reeleição da presidente Dilma Rousseff. A eleição nacional do PT ocorrerá em 10 de novembro, com 32 mil membros do PT do Pará aptos a votar.

Presidente estadual do PT, João Batista, destacou que somente em dezembro o partido debaterá o programa de governo e outros temas de campanha, entre os quais a decisão final sobre coligar ou não com o PMDB no Estado. Mas, o posicionamento de quatro dos cinco candidatos ontem em Belém terá peso particular nessa definição de dirigentes e militantes.

O debate reuniu lideranças do PT no Pará como a ex-governadora Ana Júlia Carepa, deputados estaduais e candidatos à presidência do Diretório estadual: deputados federais Cláudio Puty e Zé Geraldo, deputado estadual Milton Zimmer, Marcos Oliveira e Bira Barbosa. Os candidatos aos diretórios municipais e distritais podem se inscrever até 11 deste mês.

Rui Falcão defendeu a reforma do sistema político nacional, democratização da mídia, reforma do Poder Judiciário e do sistema tributário e defendeu uma militância permanente no partido. Markus Sokol lembrou que o PMDB foi contra a proposta do PT de um plebiscito referente às reivindicações apresentadas por estudantes e movimentos populares em junho. Ao defender o rompimento do acordo nacional com o PMDB tanto no 1º como no 2º turno, Sokol classificou como "absurdo um acordo com Jader no Pará".
O Liberal


Nenhum comentário: