Google+ Badge

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Caiu na Rede.....


BRASÍLIA - (Atualizada às 17h48) Em conversa na manhã desta segunda-feira, 2, com o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo Machado, pediu informações por escrito sobre os documentos que revelaram que os EUA espionaram a presidente Dilma Rousseff e seus assessores.

Figueiredo disse que expressou a “indignação” do governo brasileiro com os fatos revelados e que espera receber uma resposta ainda nesta semana.

Segundo o chanceler, Shannon respondeu que se comunicaria hoje com a Casa Branca, apesar do feriado americano do Dia do Trabalho.

Medidas concretas

Figueiredo se recusou a comentar se a viagem de Dilma a Washington, marcada para o mês que vem, está ou não confirmada, gerando a suspeita de que a presidente poderia cancelar a visita. Ele também disse que o Brasil só decidirá sobre eventuais medidas concretas sobre o assunto depois de receber a resposta dos EUA.

Em relação à conversa com o embaixador americano, Figueiredo disse que ele “entendeu o que foi dito” e buscará uma resposta. “Muitas vezes se acha que diplomacia é dar um jeito de explicar as coisas de forma sinuosa, não é. As coisas, quando têm de ser ditas de forma clara, o são, e foram ditas de forma muito clara”, disse o chanceler.

Proteção

Figueiredo informou ainda que o governo brasileiro está conversando com outros países desenvolvidos e em desenvolvimento para avaliar como eles se protegem desse tipo de situação e que ações conjuntas podem ser tomadas para tratar do tema, que classificou como “grave”.

As denúncias também serão levadas para discussão nos foros internacionais, disse Figueiredo.

Ministro da Justiça

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que o Brasil ainda não recebeu explicações conclusivas dos EUA, mas que “tomará as medidas necessárias” em relação ao caso.

“Se confirmados os fatos, isso representará uma violação inaceitável e inadmissível da nossa soberania. Isso não pode acontecer sob nenhum pretexto, mesmo para investigação de dados ilícitos. E quando a investigação acontece em uma dimensão política, empresarial, do ponto de vista valorativo, a situação fica, sem sombra de dúvida, piorada”, declarou Cardozo em entrevista coletiva ao lado do chanceler Figueiredo Machado.

O ministro classificou as interceptações das comunicações do governo brasileiro como “inadmissíveis e caracterizadores de uma situação que não condiz com as relações bilaterais e a parceria estratégica que o Brasil tem com os EUA”.

Ele sublinhou que a espionagem não tinha nada a ver com o combate ao terrorismo ou ao crime organizado, mas atingiram a chefe do governo brasileiro com objetivos políticos e comerciais.

“Os brasileiros amam tanto sua Constituição como os americanos amam a deles. Esse tratamento entre países exige um protocolo que legitime essa situação”, defendeu.

Cardozo voltou de uma viagem aos EUA, na sexta, 30m de agosto, sem a concordância dos americanos em relação à proposta brasileira de que toda interceptação de dados em território nacional fosse feita apenas diante de indícios de práticas criminosas e com ordem judicial de uma corte brasileira, respeitando o princípio da presunção da inocência.

O governo americano respondeu que não concorda em fazer um acordo desse tipo não só com o Brasil, mas com nenhum país do mundo.

(Maíra Magro | Valor)

Nenhum comentário: