Google+ Badge

domingo, 22 de novembro de 2009

Pará - A fala das ruas: "Governador volte, nós necessitamos do Sr." Acredite se quiser.


Jatene confirma candidatura ao governo do Estado

Em entrevista exclusiva ao DIÁRIO, o ex-governador Simão Jatene declarou que está “trabalhando como nunca” para ser o candidato tucano ao governo. E garantiu não ter interesse em uma candidatura ao Senado, como vinha sendo ventilado por setores do próprio PSDB. “Claro que sou (pré-candidato ao governo) e o sou com muita satisfação, em decorrência do fato de que essa candidatura vem se forjando num esforço coletivo. Não sou candidato simplesmente porque quero ser. Sou candidato porque sinto nas ruas as pessoas me pedindo para ser. Por onde eu ando, ouço: ‘Governador, volte; nós precisamos do senhor’. Outra razão é que na classe política, prefeitos, vereadores, ex-prefeitos, deputados estaduais, federais do nosso partido e mesmo de outros partidos me procuraram para conversar. É isso que me alimenta. Se não fosse assim, eu estaria dando aulas na universidade, tocando violão, pescando”, declarou Jatene.

O ex-governador diz sentir também apoio da direção nacional do partido para o projeto de ser candidato. “A executiva tem informação desse sentimento mais geral. Eu confesso que jamais iria ficar insistindo, se não fosse isso. Teria até vergonha de ficar forjando alguma coisa ou tentando criar algum tipo de constrangimento às pessoas ou nas lideranças”.

Entre as vantagens como candidato, Jatene cita “forte adesão popular e espaço para aliança”. “Esta é uma candidatura que vai ganhar a eleição porque é o desejo do Estado, hoje”, disse o ex-governador. Jatene garantiu também acreditar que o PSDB não deixará para escolher o candidato em uma disputa durante a convenção partidária que ocorrerá em junho do ano que vem.

Mesmo evitando fazer críticas diretas ao ex-governador Almir Gabriel, Simão Jatene disse que o apoio que recebe hoje dentro do partido é fruto da decisão que tomou de ficar em Belém e cuidar dos tucanos durante o pesado luto pela derrota para Ana Júlia Carepa. Ao mesmo tempo, as dificuldades de Almir dentro da legenda viriam justamente do fato de ter “deixado o Estado e por duas vezes se despedido dizendo não querer mais saber de política”.

Segundo Jatene, Almir saiu “num momento em que o partido ficou vivendo um drama muito grande”.

Almir: candidato “para fechar as cicatrizes”

A depender de Almir Gabriel, Simão Jatene terá muito trabalho pela frente se desejar mesmo ser o candidato tucano. O ex-governador Almir Gabriel mantém a informação de que ofereceu o nome dele como candidato como uma forma de “fechar as cicatrizes” do PSDB.

Almir negou qualquer chance de se lançar ao Senado, uma das alternativas que a Executiva Nacional chegou a propor. “Não há a mínima hipótese. Já passei oito anos no Senado. Isso é mais que um curso de medicina, que dura seis anos”, disse o ex-governador, que é médico.

O ex-governador contou que a desistência de Mário Couto da disputa foi feita em favor do seu nome, “numa atitude que considero muito correta, muito bonita. Ele me disse: ‘Só abro mão para o senhor’”.

Almir negou que tenha pensado em deixar o partido, caso não seja escolhido o candidato. “Isso é coisa de criança, uma bobageira. Imagina, eu sair de um partido que ajudei a fundar em nível nacional e local? Não estou aqui para brincar”, disse. Almir Gabriel avalia que a demora não impede o PSDB de buscar aliados porque a negociação deve ser feita em nome do programa, e não de pessoas. Ele negou sentir resistência a sua candidatura, dentro do partido. “Que eu saiba não [tem resistência]. Estou quieto no meu canto, estudando e lendo, como eu gosto. Não tenho essa informação”.

Procurado pelo DIÁRIO, o senador Mário Couto não retornou os contatos até o fechamento desta edição.

Leia a matéria completa no Diário do Pará acesse no Blog

Nenhum comentário: