Google+ Badge

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Marina reforça campanha sem Campos

Com um broche do Rede Sustentabilidade grudado no lado direito do peito, a ex-senadora Marina Silva (PSB) distribuiu na tarde de ontem acenos, sorrisos e abraços e parou dezenas de vezes para tirar fotos no centro de Santo André, na região metropolitana de São Paulo. "Oi, tudo bem? Ajuda a gente", dizia Marina, a cada aperto de mão. "Desta vez a senhora consegue", respondiam curiosos. Câmeras e microfones registravam cada passo de Marina que, em uma hora de caminhada em uma rua de comércio popular, foi tratada como candidata. O nome de Eduardo Campos, postulante à Presidência do PSB, passou ao largo do evento de campanha da vice na chapa.

"Voto na Marina porque ela é batalhadora. Este ano ela vai conseguir", disse a vendedora Andréia Leme, de 40 anos. A vendedora não sabia que Marina é, na verdade, vice. Informada que o candidato é Eduardo Campos, respondeu: "Ih, eu não conheço. Mas se está com Marina é gente boa", disse. A vendedora Isabela da Silva Alves, de 18 anos, também declarou voto na ex-senadora. "Vou votar na moreninha. Ela é do PV, né", disse, confundido com a eleição de 2010, quando Marina disputou a Presidência pelo PV e ficou em terceiro lugar.

Sem a presença de Campos, Marina circulou à vontade pelo comércio, acompanhada por um pequeno séquito e por cabos eleitorais de um vereador, candidato a deputado, que erguiam placas com o nome do parlamentar a cada foto. Em raríssimas vezes Marina citou "Eduardo" ou o fato de ser vice na chapa. Apenas no fim da caminhada colou um adesivo na blusa, com "É 40", ao lado do broche do Rede. No mesmo dia, o candidato à Presidência do PSB não teve agenda de campanha pública.

Segundo um dos principais articuladores do Rede Sustentabilidade, Pedro Ivo Batista, Marina fará mais campanha sem Campos do que ao lado do candidato. "Eles vão fazer duas ou três agendas conjuntas por semana. Vão se dedicar a fazer cinco agendas semanais sozinhos. Vai ser assim pelo menos até agosto. Depois a gente reavalia", disse Pedro Ivo, que acompanhou a caminhada.

Eleitores fizeram confusão sobre qual nome estará nas urnas nas eleições. Trabalhadora em uma entidade de filantropia, Luciene Lourenço, de 47 anos, abordou a ex-senadora para dizer que sua filha votará nela nesta eleição. "Na eleição passada eu votei no PT, mas este ano não votarei não. Perdi a confiança", disse, sinalizando que também pretendia votar em Marina. Em seguida, lembrou que a ex-senadora é vice. "Mas qual é o nome mesmo do candidato? Não sei", disse. O vendedor Rogério Canamaschi, de 42 anos, parou Marina na rua para declarar apoio. "Esse Campos eu não conheço. Acho que a Marina deveria ser candidata, né? É engraçado ele ser o candidato, porque não é conhecido".

Marina não mostrou preocupação com o fato de ser confundida como a candidata. "Na hora em que tiver oportunidade, no programa eleitoral, com a cobertura [da imprensa], as pessoas vão perceber. Muita gente diz que vai votar nos dois. É um problema só de chegar informação para as pessoas", disse a jornalistas.

A ex-senadora minimizou as divergências entre seu grupo, o Rede Sustentabilidade, e o comando do PSB. Em 14 Estados houve acordo em torno dos candidatos, porém em 13 Estados há divergências e os dois grupos seguem separados. São Paulo é um exemplo da divergência: Marina queria candidatura própria e um nome do Rede ao Senado, mas o PSB paulista, com respaldo de Campos, aliou-se à candidatura de reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB). Marina disse que manterá a autonomia onde não há acordo e afirmou que se votasse em São Paulo escolheria o senador Eduardo Suplicy (PT) na disputa pelo Senado, em detrimento ao candidato da chapa de Alckmin, José Serra (PSDB).

Por Cristiane Agostine | De Santo André (SP) Valor.


Nenhum comentário: