Google+ Badge

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Ofício de quem não tem nada pra fazer no fim de mandato


Meu Deus do Ceu, Só faltava essa.

Em resposta à fama de colecionadora de desafetos, a equipe de Dilma Rousseff costuma dizer: Como ministra, ela podia divergir tecnicamente, mas jamais discutia com os ex-colegas de Esplanada.

Hoje, nem se falam.

Numa hora em que o comitê de Dilma se esforça para seduzir Marina Silva e parte dos 20 milhões de votos dela, o governo decidiu empatar o namoro.

Chefiada pelo ministro Samuel Pinheiro Guimarães, a SAE (Secretaria de Assuntos Estratégicos) abriu, em Brasília, um seminário.

Encontro destinado a debater alterações num certo PAS (Plano Amazônia Sustentável). Trata-se de uma das principais contribuições de Marina Silva ao governo Lula. Elaborou-o durante três anos. Chamava-o de “filho”.

Mandou o rebento à mesa de Lula em 2008.

O presidente decidiu confiar a execução à SAE, chefiada na época por Mangabeira Unger. Por que não Marina? Lula alegou que a titular do Meio Ambiente não seria suficientemente “isenta”.

Marina pediu o boné. Ao deixar o governo, disse que perdia o cargo, não a cabeça.
Depois, foi do PT para o PV. Na nova legenda, empinou a candidatura que a fez ser cobiçada por Dilma e pelo antagonista José Serra.

Samuel Guimarães jamais pôs para andar o “filho” de Marina. 

Acha que falta-lhe algo: "Sou defensor de metas concretas".

Na abertura do seminário, a atual ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, fez ressalvas ao projeto da antecessora ilustre.

Para ela, o PAS de Marina injeta na política ambiental um excesso de preservacionismo. "O debate sobre questões ambientais tem uma demanda não só da economia de baixo carbono, mas tem de ter uma visão de desenvolvimento sustentável de natureza estratégica para o Brasil".

Empenhado em fazer a sucessora, Lula talvez devesse chamar os ministros Samuel Guimarães e Izabella Teixeira para uma conversa. Iniciaria o diálogo assim: “A dois meses e meio do término do governo, vocês não têm coisa melhor para fazer do que discutir um plano de 2008? Ora, francamente!” 

À falta de uma intervenção do patrono, coube à própria Dilma sair em socorro de si mesma. 

Nenhum comentário: