Google+ Badge

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Política - Ainda falta musculatura para contestar o discurso do ex-Presidente

Os coordenadores da campanha da Ministra Dilma Rousseff, ficam acuados quando fala o “Marques”, um dos teóricos (que são muitos) do PSDB, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Ressalto aqui algumas das críticas, que em nada contestam ao FHC:
O presidente do PT, Ricardo Berzoini, disse que as críticas de FHC tornam mais fácil a disputa eleitoral porque o partido poderá vincular o governo do ex-presidente com o candidato tucano: "No desespero dos tucanos, ele resolveu aparecer. Quanto mais ele fala, mais fácil é fazer o vínculo do Serra com o Fernando Henrique e com o governo Fernando Henrique."

O líder do governo na Câmara, Cândido Vacarezza (PT), disse que FHC faz um discurso isolado porque nem os candidatos tucanos querem destacar a gestão do ex-presidente. "Ele vai atrapalhar ainda mais os candidatos dele, que querem escondê-lo. Ele precisa ter cuidado, senão vai se desmoralizar e aumentar a sua rejeição, maior do que já está."

Veja como não há conteúdo, só conversa geral, nada que toque no centro do artigo.
Está faltando ir aos detalhes do artigo do FHC. Vamos por partes.
Apenas um só exemplo que ilustra como o Ex-Presidente defende a privatização da Vale, mostra uma verdade só pela metade, já que a Vale pode até pagar mais imposto hoje, que dividendos, quando era estatal. Entretanto não tem sido revelado o grande impacto de recursos naturais exauríveis que a Vale está provocando no Brasil. Paga mais porque o buraco está indo a fundo, já que a especialidade da empresa é retirar o minério e enviar apenas commodities para o exterior, matéria prima que serve para produzir bens com valor agregado.

A Vale não investe em tecnologia nem tem como objetivo agregar valor aos produtos.
Em comparação veja o caso de Petrobrás, investe em pesquisa e desenvolvimento, em tecnologia e agrega valor aos produtos, aqui no Brasil.

E a educação, não falou no artigo do terror imposto na universidades federais, com a falta de recursos. Lembrem-se que para contratar um professor era necessário a aposentadoria de dois! A privatização da educação era fortemente apoiada pelo ex-Ministro Paulo Renato, muito diferente da postura do atual ministro de educação.

Outra marca do ex-Ministro era o horror que se tinha contra os CEFET´s, que hoje estão sendo transformados em Institutos Tecnológicos, o que cria uma nova janela de oportunidade que se torna extraordinária para realizar as inovações tecnológicas que a indústria brasileira precisa.

Na área social, não existe comparação, me desculpem, mas não da nem para falar do imenso avanço experimentado no governo Lula. Não é apenas prolongação do que já tinha sido feito. É uma visão diferente, uma postura estratégica de cerca de 180º se comparada com a política social do FHC.

Claro que também, aquela era outra época, uma fase da economia internacional muito diferente, o mercado não estava tão desacreditado e hoje, diga de passagem, os bancos estão felices com a política monetária do Banco Central.

Como pode ser observado, tudo depende do ponto de vista. vamos a esperar aí uma resposta mais ou menos convincente, ao ex-Presidente.

Nenhum comentário: