Google+ Badge

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Eleições - mais uma carta no baralho


Em entrevista exclusiva ao UOL Notícias nesta sexta-feira (18), o deputado federal pelo PSB do Ceará, Ciro Gomes, confirmou que pretende disputar o Planalto em 2010, mas afirmou que isso "não depende de sua vontade apenas". "A (vontade) mais importante, que dará a palavara final, é do meu partido." Ele disse ainda que prefere ser candidato à Presidência e que não tem mais vontade de ser deputado federal.

Ciro negou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha lhe pedido para ser candidato ao governo de São Paulo. "O presidente Lula jamais, em tempo algum, me fez algum apelo com relação à candidatura ao governo de São Paulo ou à Presidência da República", apontou. "Combinamos de seguir conversando e examinar a situação ali por fevereiro do ano que vem. E aí nessa circunstância que ele me pergunta se eu acietaria transferir o domicílio eleitoral para São Paulo, mantendo as portas abertas e decidir, daqui, a candidatura à Presidência." De acordo com ele, a decisão final sobre essa transferência vai depender de seu partido.

Ciro criticou a aliança do PT com o PMDB, mas fez questão de frisar que não tem "nada contra o PMDB". Para ele, é preciso dar novos exemplos na política, que é vista como um "ajuntamento de safados", em especial pela juventude, e frisou seu bom relacionamento com o povo. "Eu tenho uma relação com o povo que é mais íntima, mais sólida."

Ele negou que tenha dito que abriria mão de sua candidatura à Presidência, caso Aécio Neves (PSDB) fosse candidato. Para ele, as disputas no PSDB estão "fazendo mal ao país".

Sobre o desempenho de ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) como pré-candidata à Presidência pelo PT, Ciro disse que ela "está aprendendo" a discursar em palanques. "Ela é muito brilhante, muito capaz, ela aprende rápido."

Ciro apontou ainda que a mudança de partido de Marina Silva - do PT para o PV - não influenciou a decisão dele de disputar o Palácio do Planalto. Ele elogiou a concorrente e disse que ela "tem muito amor ao Brasil".

O deputado federal também demonstrou sua afeição a Lula. Ele frisou a "genialidade que o Lula tem" e afirmou que o presidente "está fazendo muito bem ao Brasil". "Estou aprendendo muito com ele", disse.

Ciro elogiou ainda o Bolsa Família, que, para ele, reduziu a fome e a miséria no país, além de germinar uma economia local. Mas ele alertou que essa não pode ser a solução final para o problema e que o país não pode se acomodar. "O risco é sentar em cima, pois o que emancipa o país é o trabalho qualificado". Em sua opinião, porém, Lula ainda "não sentou em cima".

O possível candidato ao Planalto pelo PSB fez ainda diversas críticas ao governo do ex-presidente do Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), a quem acusou, entre outras coisas, de aumentar a carga tributária, aumentar a dívida brasileira, sucatear as estradas e gerar o apagão energético. "E é a turma do Fernando Henrique Cardoso que vem para derrubar o Lula."

Na opinião de Ciro, Lula não teve nenhuma responsabilidade sobre o mensalão. Os que foram acusados do caso é que devem ser os responsáveis, segundo ele. "Mas isso a Justiça julgará."

Sobre a crise política no Congresso, Ciro disse que não sente vergonha. "Tenho muita tristeza de testemunhar isso", afirmou. Para ele, o Senado é "um santuário" da representação popular, e o que está errado é o comportamento dos políticos.

Leia a reportagem completa no UOL NOTÍCIAS Aqui

Nenhum comentário: