Google+ Badge

segunda-feira, 18 de março de 2013

Estudo mostra por que usuários de celular são irritantes


Se você acabou de ler o mesmo parágrafo 12 vezes porque a pessoa sentada ao seu lado no ônibus está conversando no telefone celular, sinta-se livre para mostrar a ela o seguinte: os cientistas descobriram mais uma prova de que ouvir conversas alheias de celulares é muito mais irritante e causa mais distração do que ouvir o diálogo entre duas pessoas.

Em um estudo publicado na revista PLoS One, estudantes universitários que foram solicitados a completar anagramas enquanto uma pesquisadora próxima falava em seu celular ficaram mais irritados e distraídos --e muito mais propensos a lembrar o conteúdo da conversa-- do que os estudantes que fizeram os mesmos quebra-cabeças enquanto a mesma conversa acontecia entre duas pessoas que estavam na sala.

O estudo é o mais recente de um corpo de pesquisa crescente sobre por que os celulares estão no topo da lista de irritações modernas. Cada vez mais provas indicam que os hábitos encorajados pela tecnologia móvel --entre eles falar alto em público com alguém que não está presente-- são feitos sob medida para sequestrar as funções cognitivas de quem está próximo.

Um dos motivos, disse Veronica V. Galvan, professora-assistente de psicologia da Universidade de San Diego e autora principal do estudo, é o desejo do cérebro de preencher os espaços em branco das conversas.

"Se você ouvir só uma pessoa falando, ficará constantemente tentando colocar essa parte da conversa em contexto", disse Galvan. "Isso, naturalmente, vai atrair sua atenção para longe de qualquer outra coisa que você estiver tentando fazer."

Também é uma questão de controle, dizem Galvan e seus colegas. Quando as pessoas estão presas ao lado de uma conversa unilateral --conhecida hoje em dia como um "metálogo"--, a raiva vem à tona da mesma forma que em outras situações em que as pessoas não têm liberdade de sair, como esperando um trem.

"Se você estiver esperando em fila e alguém atrás de você estiver falando num telefone celular, você está de certa forma preso ali", diz ela, "e você pode ter uma resposta de estresse psicológico".

Não que você precise se sentir estressado para achar os celulares perturbadores. Alunos que participaram de um estudo da Universidade Cornell em 2010 tiveram problemas para completar tarefas simples, como acompanhar um ponto numa tela com um cursor, enquanto ouviam uma fita de uma conversa unilateral, mesmo sabendo que a conversa era o foco do estudo.

Os 149 alunos no estudo de Galvan não sabiam que as conversas paralelas faziam parte da pesquisa; 15 alunos que descobriram isso não foram contabilizados nos resultados. E embora sua capacidade de resolver os anagramas não tenha sido visivelmente prejudicada, os alunos que ouviram os "metálogos" tiveram uma pontuação mais alta ao se avaliarem numa "escala de distração". Eles também disseram que se lembravam de mais detalhes da conversa, que tinha o mesmo roteiro em ambos casos (um professor de teatro foi convocado para interpretar a conversa).

O cérebro simplesmente não pode ignorar um fluxo de novas informações, disse Lauren Emberson, associada de pós-doutorado da Universidade de Rochester, de Nova York, que liderou o estudo de Cornell quando trabalhava lá.

"Nossos cérebros estão configurados para se concentrar em coisas que são novas ou inesperadas", disse Emberson. "Quando você está ouvindo metade de uma conversa, cada enunciado novo é uma surpresa, então você é forçado a constantemente prever o que vai acontecer a seguir."

Como é quase impossível se desligar de uma conversa de celular próxima, as pessoas sujeitas a elas muitas vezes acreditam –incorretamente-- que o locutor está falando alto fora do normal, de acordo com os resultados de um estudo de 2004 da Universidade de York (Inglaterra).

Sessenta e quatro passageiros foram expostos à mesma conversa em níveis de volume diferentes, metade numa ligação de telefone celular e a outra metade numa conversa face a face. Em média, os passageiros acharam que os indivíduos que estavam ao telefone falavam mais alto, mesmo que isso não fosse verdade.

"Quando você olha para uma luz, ela parece mais brilhante", disse Emberson. "E quando você não consegue deixar de prestar atenção em um ruído, ele parece mais alto."

Essa sensação de estar submetido a algo inevitável e desagradável transformou as conversas de telefone em público num ponto de irritação.
"Quando você está ouvindo uma conversa tola de um estranho ao celular, seu cérebro é obrigado a trabalhar muito mais no que você está fazendo, e isso interfere em sua capacidade de se concentrar em outras coisas", disse Amy Alkon, colunista que escreveu um livro sobre boas maneiras chamado "I See Rude People" [algo como "Eu Vejo Pessoas Mal Educadas"]. "Ela dá o que eu chamo de 'cócegas neurais'."

Embora as pesquisas tenham repetidamente colocado as conversas de celular em público no topo das irritações dos norte-americanos, há indícios de que o problema está diminuindo --ou, talvez, de que as pessoas estão começando a aceitar que todo esse blá blá blá é a nova realidade. Em 2006, 82% dos norte-americanos disseram que se irritavam pelo menos ocasionalmente com conversas de celular em público. Em 2012, esse número caiu para 74%.

Alkon atribui a queda a uma rejeição crescente do comportamento. "As pessoas estão começando a reconhecer que é realmente rude obrigar as outras pessoas a ouvirem a sua conversa", disse ela, "especialmente em lugares em que você fica preso, como em um trem ou em um consultório médico."

É uma sensação familiar para qualquer um que já tenha tentado ler, trabalhar ou apenas relaxar no transporte público. Geoff Huntting, executivo de marketing da New Canaan, em Connecticut, diz que seu trajeto de mais de uma hora até Manhattan é muitas vezes marcado por alguém conversando ao celular.

Como os alunos no estudo de Galvan, ele disse que ainda conseguia se lembrar dos detalhes de um "metálogo" irritante que ouviu há mais de um mês. "Uma jovem de 20 e poucos anos reclamando para o namorado ou parceiro --no volume máximo durante toda a viagem-- sobre uma outra garota que estava tentando marcar pontos com o chefe ou algo parecido", disse Huntting, 38.

Para ser justo, disse ele, o trem também é frequentado por torcedores barulhentos e embriagados dos Yankees a caminho de casa depois dos jogos. Mas de alguma forma ele acha mais fácil ignorar essas conversas.

"É alto, mas é menos irritante do que ouvir as reclamações só de um lado sobre algo que você não pode colocar em contexto", disse. "Não é nem mesmo uma conversa: é tagarelice, é só barulho."

Douglas Quenqua


Nenhum comentário: