Google+ Badge

sexta-feira, 30 de julho de 2010

A última do Collor que agora pousa "companheiro" Collor, que quer apoio de Dilma e do Lula

Collor apoia a Lula, que apoia a Collor e Dilma que apoia a Collor, mais ou menos assim é a música da campanha. E vai ser o próximo governador da República de Alagoas, claro, se todas as variáves não se alteram.

Publicado em: 29/07/2010

Fernando Collor xinga jornalista da IstoÉ e diz que vai "meter a mão na sua cara"
Por Eduardo Neco/Redação Portal IMPRENSA

O senador e ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTB-AL) ligou para a redação da sucursal de Brasília (DF) da revista IstoÉ, na tarde desta quinta-feira (29), e ameaçou esbofetear o jornalista Hugo Marques por conta de uma nota na edição de 21 de julho sobre o pedido de impugnação da candidatura do político alagoano.

"Quando eu lhe encontrar, vai ser para enfiar a mão na sua cara, seu filho da puta", vociferou Fernando Collor após explicar ao repórter o motivo de sua ligação.

(Ouça a gravação)

Aqui

Em entrevista ao Portal IMPRENSA, Marques declarou que, ao constatar o teor da ligação, desligou o telefone imediatamente. "Eu não queria ouvir insultos e nem responder. Fico preocupado dele tentar arrancar alguma agressividade minha. Se eu criar um conflito com ele, fico impedido de cobrir. Então não falei nada", contou. Sobre o fundamento das ameaças do ex-presidente - que concorre ao governo de Alagoas -, Marques pontuou que os dados sobre a candidatura de Collor estão no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

"Ele tem que convencer a Justiça Eleitoral, não a mim". Marques afirmou que não irá se manifestar contra Collor, tampouco acionar entidades de classe, mas pontuou ser "lamentável" a atitude do ex-presidente "em um regime democrático". "Não tenho nada contra ele, mas é lamentável que um sujeito desses ligue para uma redação e ameace uma pessoa. Ele poderia ter mais cautela, poderia respeitar os direitos humanos".

De acordo com o repórter, Collor estaria desgostoso com a revista por conta de outras matérias em que o político é citado. Sobretudo a respeito de uma entrevista com sua ex-mulher, Rosane Malta, em que é indicado como sonegador de impostos. A respeito de um eventual encontro com o ex-presidente, Marques disse não estar temeroso. "Sou faixa roxa de Karatê (risos)", afirmou. "Estou há 22 anos denunciando bandidos de peso pesado e essa deve ser a décima ameaça, e isso não me intimida", finalizou.

A reportagem tentou contato com o diretório nacional e regional do PTB e com a coordenação de campanha de Collor e não obteve retorno. A assessoria de imprensa de seu gabinete no Senado declarou que não tem relação com as atividades do senador fora de seu mandato, e por isso não poderia se pronunciar.

Um comentário:

Anônimo disse...

Planalto limita investigação sobre criação de estado indígena independente

Mistério no ar -


Ao que parece, o assunto Farc deverá provocar muitas dores de cabeça à cúpula petista e ao núcleo duro da campanha de Dilma Rousseff, onde estão aninhados os mais aguerridos simpatizantes da narco-guerrilha colombiana.



Por decisão do Palácio do Planalto, nenhum integrante do governo federal, da Agência Brasileira de Inteligência, da Polícia Federal, das Forças Armadas e os setores amestrados da mídia nacional estão autorizados a emitir qualquer comentário sobre a tentativa de criação de um estado indígena independente em Roraima. O movimento dissidente tem se valido da força para, com violência e requintes de crueldade, invadir residências, efetuar prisões e praticar homicídios, tudo sob a orquestração de uma milícia que se autodenomina “Polícia Indígena do Alto Solimões (Piasol)”.



Destacamentos do Exército e agentes da Abin e da Polícia Federal já investigam uma suposta conexão dos indígenas com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, que têm alimentado a troca de farpas entre os staffs de campanha dos presidenciáveis José Serra e Dilma Rousseff, acerca da ligação do Partido dos Trabalhadores com os narco-guerrileiros colombianos, relação que se estreita através do Foro de São Paulo.



No entorno do presidente Luiz Inácio da Silva a ordem disparada para o Ministério da Defesa e o comando do Exército é que o Comando Militar da Amazônia não entre no caso. O que mostra mais uma vez que a relação PT-Farc está cada vez mais próxima da xifopagia. Em outras palavras, não há como dizer que é mentira uma verdade comprovada dia após dia.

do Blog do Ucho