Google+ Badge

sexta-feira, 26 de março de 2010

Política - PT: Ciro falastrão, desequilibrado, desesperado e a mãe de todas as ofensas. É meio tucano.

 
Ciro Gomes (PSB) tornou-se, para o PT, um “aliado” indesejável.

As ressalvas ao deputado, antes feitas entre quatro paredes, ganharam o meio-fio. Líder do PT na Câmara, o deputado Fernando Ferro (PE) (Foto da direita) trouxe à borda do caldeirão o caldo que ferve no fundo.

Chamou Ciro de “falastrão”, “desequilibrado”, “desesperado” e –a mãe de todas as ofensas— “meio-tucano”. Os ataques de Fernando Ferro foram pronunciados nesta quinta (25), em entrevista ao programa “Opinião”. É veiculado pela Rádio Comunidade FM de Santa Cruz do Capibaribe, de Pernambuco.

O signatário do blog ouviu a entrevista. Ferro disse que, “quanto mais o Ciro Gomes fala, pior pra ele”. Afirmou que o presidenciável do PSB “já criticou todo mundo”.

Acha que Ciro ganhou uma aparência de “adolescente rebelde, que está com raiva do mundo”. Embora ninguém considere a hipótese a sério, Ferro rechaçou a possibilidade de Ciro ser guindado à condição de companheiro de chapa de Dilma Rousseff. “Ele não vai ser vice na nossa chapa, porque o PSB, com todo respeito, não tem estatura para ser vice na nossa chapa, não tem dimensão nacional”.

Avalia que “Ciro perdeu uma oportunidade de ser candidato a governador em São Paulo”, com o apoio do PT e de outras legendas governistas. “Agora quer ser candidato a presidente da República. Afunda nas pesquisas. Não tem perspectiva. Brigou com todo mundo...” “...Brigou com o PCdoB, com o PDT, atacou o PT, atacou o PMDB. Ele quer ser a palmatória do mundo...” “...Fica fazendo elogios a Aécio [Neves] e aos tucanos. Ele é, na verdade, um meio-tucano”.

Ferro despejou sobre o microfone da rádio pernambucana um par de perguntas: “O Ciro tá fazendo o jogo de quem nessa eleição? Vai dividir o governo?” Insinua que o quase-ex-aliado veste a camisa do inimigo: “Se ele fosse do nosso time não tava divindindo a nossa candidatura, tava ajudando”. Ajudaria “como nós estamos ajudando o governador [pernambucano] Eduardo Campos [presidente nacional do PSB]”. Para Ferro, se insistir na trilha presidencial,


Ciro deslizará nas pesquisas para patamares inferiores aos 13% atuais. Vai a “7%, 8%”. Pior: “Vai encerrar uma carreira que poderia até ser brilhante. É uma pessoa inteligente, um bom quadro político”. Perde-se porque “tem a língua muito grande, é muito falastrão. E política não pode ser feita como fígado, com raiva, com grito, com ameaças, só com acusações”.

O líder petê diz que Ciro está “desesperado”. Imagina-se “maior do que é”. Acha que o PSB não vai “insistir nessa aventura”. Seria “pior para eles”. Refere-se à candidatura presidencial de Ciro como um “capricho pessoal”. E insinua que o governador Eduardo Campos, o mandachuva do PSB, está noutra canoa. “Pelas conversas que tenho com o governador Eduardo, essa candidatura não é unanimidade no PSB. Ele sabe que o importante é a nossa aliança”.

Declara que o presidente do PSB “está fazendo um trabalho para ver se retira essa aventura de Ciro Gomes para presidente”. O entrevistador lembrou a Ferro que Ciro dissera que seus passos são combinados com Eduardo Campos. E o líder petista: “Não é isso que a gente conversa com o governador Eduardo Campos. Ele tem um certo constrangimento”. Acrescenta: “O que o Ciro fala, pela boca, ele solta muita labareda. Eu acho que ele, lamentavelmente, virou um falastrão que não tá sendo levado a sério...” “...Todo mundo tá achando que ele é apenas uma pessoa que tá querendo brigar com Deus e o mundo. Tá meio revoltado”.

Avalia que Ciro passa à opinião pública a imagem de “alguém que tá desesperado, que tá aperreado, tá nervoso e desequilibrado”. Afirma, de resto, que, para ser presidente da República, “tem que ter equilíbrio” e “cabeça fria”. Do contrário, “não aguenta, pipoca, renuncia, chora, se destrói”. Evoca o exemplo de Lula: “Tem cabeça fria, ouve, recebe críticas de todo jeito...” “...Mas tem a capacidade de perdoar, de amenizar. E reage quando é preciso, mas sem perder o equilíbrio...” “...O Ciro, lamentavelmente, é uma figura desequilibrada. E com deesequilibrio não tem condições de assumir uma presidência da República”. É de perguntar: com aliados assim, quem precisa de inimigos?

Comentário do Blog. As possibilidades do ciro apoiar a Dilma ou ser candidato ao governo de São Paulo quase nulas. Fica para ele, a luta até o fim por sua candidatura ou seu retorno ao LAR.


Blog do Josias de Souza

Nenhum comentário: