Google+ Badge

domingo, 6 de dezembro de 2009

Belém, Pará - O fascínio e agonia pelo poder


Desde que o Brasil é Brasil e desde antes, a maioria dos políticos de todos os colores e sabores amam o poder, idolatram o poder, sentem um fascínio quase erótico por esse objeto do desejo. A seqüência é esta: primeiro por ser eleitos pelo povo (sem importar o preço que devam pagar), segundo, querem se manter no poder, se for possível de forma indefinida, isso se chama reeleição, terceiro, em caso de não ser eleitos e ficar em segundo lugar, entram com recursos para ver se podem cassar o mandato do seu adversário a quem chamam de inimigo político, embora depois em outro pleito, sejam colegas da mesmíssima chapa, irmãos. O sistema "democrático" é que permite essas  vantagens para os políticos, sem criar nenhuma regra que permita limitar essas práticas de corrupção tão espalhadas pelo Brasil.

No Brasil da democracia, quem abriu essa “janela de oportunidade” espúria Foi o Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso o FHC, assim chamado pelos que nem querem pronunciar esse nome por extenso.

O fascínio do FHC era tão grande, que até perdeu uma eleição por querer “despachar” simbolicamente, na cadeira de Prefeito, antes do pleito. O ruim dessa reeleição é que FHC, no seu segundo mandato, foi terrível, pior ainda que no primeiro, aí é que se acabou com grande parte do patrimônio da economia brasileira, com verdadeiras doações para o setor privado de empresas que eram estratégicas para o crescimento do Brasil. Diferente do Lula que suas melhores ações são deste segundo mandato e por isso ele passará à historia do Brasil contemporâneo.

Voltando ao nosso tema do fascínio pelo poder. Em Belém do Pará, temos um prefeito cassado. Quem pense que foi cassado por corrupto, mentiroso, falsário ou incompetente, estará redondamente enganado. Ele está sendo cassado por uso indevido da máquina administrativa da prefeitura para “reeleger-se” (só seria corrupto, e não incompetente).
Veja bem, apesar de ter sido eleito senador da república, em pleno exercício do mandato deixou o cargo de senador e concorreu ao de prefeito da capital paraense e foi também eleito. Isso é fascínio pelo poder, quis acumular mais poder, ainda. São os predeterminados, isso parece que está escrito. Será que o povo gosta de mentirosos, médicos que não são médicos, advogados que não concluíram o curso de graduação com o exame da ordem?

Pois bem ele está sendo cassado e se aferra com unha e carne ao poder. E o outro o que ficou em segundo lugar (Priante-PMDB). Segundo a legislação eleitoral deveria assumir nesta segunda feira, ele já está sentado na cadeira da prefeitura, despachando, claro virtualmente, e na expectativa de ser prefeito e concorrer à reeleição. O fascínio do poder meus caros amigos, até cargo de síndico é um fascínio.

Confira o significado das palavras fascínio e agonia, a seguir, segundo o nosso Moderno Dicionário da Língua Portuguesa, Michaelis:

E mais embaixo, confira se estou errado ou não, lendo a notícia sobre os próximos passos do Priante, segundo colocado nas eleições do ano passado, que segundo as informações da imprensa, que será empossado na próxima segunda feira. 

fascinação

fas.ci.na.ção
sf (lat fascinatione) 1 Ato ou efeito de fascinar. 2 Atração pela beleza. 3 Encanto, enlevo, arroubamento. 4 Embeleco, feitiço.


agonia
a.go.ni.a
sf (gr agonía) 1 Estado em que o moribundo luta contra a morte. 2 Fase de decadência que prenuncia o fim. 3 Aflição, angústia; estertor, inquietação, sofrimentos morais intensos. 4 Dor severa. 5 Náusea. 6 Desejo veemente de conseguir alguma coisa; ânsia. 7 Toque especial de sino para comunicar aos fiéis o transe de morte de uma pessoa. 8 Reg (Nordeste) Pressa. 9 Reg (Centro e Sul) Amolação, incômodo.

Uma grande devassa nas contas da prefeitura será a primeira ação de José Priante à frente do município de Belém, caso venha mesmo a assumir o cargo de prefeito. Ele promete fazer um levantamento dos gastos de cada centavo dos recursos recebidos pelo prefeito cassado Duciomar Costa. “A ideia é fazer uma auditoria completa e para isso quero contar com a ajuda dos ministérios públicos federal e estadual, além de outras entidades”, diz Priante, afirmando que a palavra de ordem da gestão será “transparência”. “Não me conformo, por exemplo, com o que aconteceu com os recursos da saúde”, explica, lembrando que em cinco anos a prefeitura de Belém recebeu em torno de R$ 1,5 bilhão para a área, que se tornou uma das mais problemáticas da administração Duciomar Costa. “A título de comparação, um hospital como o metropolitano (em Ananindeua), com equipamentos, custou cerca de R$ 80 milhões. É possível ver o que poderia ter sido feito com esse dinheiro todo”.

Além de investigar os caminhos seguidos pelos recursos nos cofres da PMB - que visivelmente não foram investidos na melhoria da qualidade de vida dos belenenses -, o provável novo prefeito da capital diz que, em caso de constatadas irregularidades, vai tomar providências legais contra o atual gestor. “Nos últimos meses temos assistido a uma avalanche de denúncias e é preciso apurar” justifica.

PLANOS PARA A PMB

Nem só de auditorias, contudo, viverá a nova gestão. Entusiasmado com a possibilidade de assumir seu primeiro cargo executivo, Priante promete atenção especial para as áreas de saúde, organização do trânsito e assistência social.

leia a matéria no Diário do Para Aqui

Nenhum comentário: