Google+ Badge

domingo, 7 de junho de 2015

A amarga conta da corrupção

A falta de princípios morais dos envolvidos nos recentes escândalos é a face mais visível da corrupção no Brasil, revelando a grave crise de valores, ausência de compromissos sociais e descaso com as necessidades da população em geral daqueles que assumem posições de destaque em nossas instituições. Essas pessoas, ao contrário do que ocorre, deveriam se dedicar para melhorar nossa sociedade, nossa economia, nosso meio ambiente e contribuir para a promoção do bem comum e para a construção de um país mais próspero e desenvolvido.




Todavia, a falta de ética pública que corrompe e corrói o tecido socioeconômico do país está muito longe de ser a única conta que a corrupção nos impõe a todos os cidadãos. Há outras, não tão evidentes à primeira vista, que se desdobram em várias dimensões e que assumem proporções catastróficas, prejudicando irreversivelmente não apenas a geração atual, mas várias adiante. Vejamos algumas dessas contas:

1) Inflaciona os preços de bens e serviços. Por exemplo, a construção ou reforma de uma escola que, hipoteticamente, poderia ser de um milhão de reais, passa para a custar três milhões por causa do sobre preço praticado para garantir as propinas. Essa escola, em tese, poderia beneficiar 500 alunos. Mas com o dinheiro efetivamente gasto, caso fosse bem aplicado, poderia beneficiar 1.500 pessoas, ou seja, significa que na pratica, mil ficaram de fora por causa da corrupção. Esses excluídos deixaram de receber um benefício que provavelmente mudaria para melhor suas vidas. Porém, por causa da corrupção, esse potencial aluno poderá ser um futuro delinquente porque não teve oportunidades. Assim, ao invés de construir as bases da formação de cidadãos de bem a corrupção os destrói. Esse mesmo raciocínio serve para outras áreas, como: a saúde, o hospital superfaturado que deixa de fora milhões de necessitados; as estradas superfaturadas que deixam centenas de quilômetros sem pavimentar impedindo o escoamento eficiente da produção de milhares de pequenos produtores, reduzindo a capacidade de geração e multiplicação de riqueza; o saneamento não feito deixa a população vulnerável às doenças, especialmente crianças às verminoses, o que limita a capacidade de aprender e isso compromete sua produtividades no futuro; a infraestrutura superfaturada, exclui da mesma forma outros tantos; e por ai vai...

2) Impede que investimentos produtivos aconteçam. Empresas idôneas não querem associar suas marcas a governos e instituições corruptos, pois isso mais cedo ou mais tarde vai se voltar contra elas, comprometendo sua sobrevivência em um mercado cada vez mais competitivo e exigente. Mais uma vez, esses investimentos poderiam empregar muitas pessoas, gerar muitas oportunidades, mas como não foram feitos, muitos dos que seriam beneficiados acabam caindo na marginalidade por falta de chances;

3) Políticas públicas e projetos sociais deixam de ser feitos. A expectativa de ganhos desmedidos, que está na base da corrupção, cega quem persegue se dar bem a qualquer custo. Agentes envolvidos com a corrupção usam todo o seu tempo e energia para “bolar esquemas” em benefício próprio e usam o cargo público para expandir seu patrimônio privado. Assim, deixam de empregar esse tempo e energia para elaborar e implementar políticas em prol do bem estar coletivo. São projetos que deixam de ser feitos, convênios que não se realizam, ações que não se implementam, deixando de beneficiar, da mesma forma, milhões de pessoas;

4) Impossibilita o recebimento de recursos financeiros. Gestores que fazem mal uso do dinheiro público ficam impedidos de ter acesso a várias fontes de recursos que estão disponíveis para serem acessados em diferentes áreas. E o pior, mancham para sempre a instituição que representam, quer seja, uma empresa, um órgão público, um município, um Estado ou o país. Isso estraga o caminho do próximo gestor que vai ficar impedido de buscar esses recursos que, se não fosse pela corrupção, estariam disponíveis e assim mais ações poderiam ser feitas em prol da sociedade;

5) Democratiza a corrupção. Como a ganância não tem limites, o corrupto precisa de toda uma “rede de proteção” que lhe de suporte. Acontece que à medida que a pratica avança esta rede ganha força e acaba “democratizando a corrupção”, que deixar de ser “oligárquica”, isto é , de ficar restrita às altas cúpulas, e passa a alimentar também as bases de apoio – se democratiza. Assim, todas as contas ocultas da corrupção se potencializam.



O resultado de toda essa conta é que a economia e a sociedade não evoluem, pelo contrario, estagnam e retrocedem, portanto, de forma alguma se deve ser tolerável com aquele que “rouba mais faz” pois é o seu presente e o futuro de seus filhos que está em jogo.

(Carolina Savedra, Economista)

Nenhum comentário: