Google+ Badge

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Programa Inova Pará vai fortalecer as cadeias produtivas



O programa de incentivo a ambientes de inovação foi aprovado por todos os membros do Consectet na primeira reunião do ano


O Programa Inova Pará, coordenado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet), foi aprovado por unanimidade nesta quarta-feira (15), na primeira reunião do ano do Conselho Estadual de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Consectet), que presta assessoramento superior à (Sectet). O Conselho é formado por representantes de secretarias estaduais, universidades, instituições de pesquisa e outros órgãos afins.

O “Inova Pará” conta com a parceria dos órgãos governamentais que compõem o Sistema Estadual de Inovação: Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará (Fapespa), Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa) e Universidade do Estado do Pará (Uepa).

Na reunião, o titular da Sectet, Alex Fiúza de Mello, explicou os motivos que levaram o órgão a somar esforços para a implantação do programa no Pará. Ele ressaltou que a Sectet, durante reuniões, cursos e audiências públicas, observou que muitas pesquisas sobre arranjos produtivos locais (APLs), realizadas em determinados municípios por várias instituições eram coincidentes, porém trabalhavam paralelamente sem comunicação entre elas e seus potenciais beneficiários. Por isso, o programa objetiva promover a conexão entre os envolvidos no processo, e assim gerar desenvolvimento.

Sistema Regional - O “Inova Pará” incentiva a criação e o fortalecimento de ambientes de inovação nas Regiões de Integração do Estado, a partir de um conceito de Sistema Regional de Inovação, em espaços privilegiados, convencionais e não-convencionais, destinados a dar suporte científico-tecnológico necessário às cadeias produtivas consideradas estratégicas no Plano de Governo “Pará 2030”. O desafio é transformar empresários, pesquisadores e outros profissionais em empreendedores inovadores, para que trabalhem conjuntamente e em sinergia, gerando um potencial competitivo.

A secretária adjunta da Sectet, Maria Amélia Enríquez, ressaltou que programa envolve cinco etapas já definidas: Identificação de demandas; Concepção; Implantação; Gestão dos Sistemas Regionais de Inovação e Acompanhamento e Avaliação de Resultados.

Na primeira etapa haverá debates qualificados com agentes dos setores produtivos locais, governo e instituições de ciência e tecnologia. Em seguida, será feita a avaliação, em cada Região de Integração, da estrutura necessária para implantação do Sistema de Inovação adequado à realidade local.

No terceiro momento serão elaborados os editais seletivos e as chamadas públicas, e celebrados os convênios para efetiva implantação dos ambientes de inovação. Na quarta etapa está prevista a qualificação profissional, inclusive de gestores, por meio de intenso programa de treinamentos. Por fim, serão realizadas visitas periódicas a cada Sistema, e será estabelecida uma relação permanente com empresas parceiras para avaliação dos impactos das atividades inovadoras desenvolvidas em sua área de atuação.

A secretária adjunta destacou, ainda, cinco potenciais Sistemas Regionais de Inovação: o Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, já existente; a Incubadora de Empresas do Xingu; o Polo Avançado de Pesca e Aquicultura de Bragança; e o PCT Tapajós, no oeste paraense.

Após a detalhada explanação, os membros do Conselho aprovaram, por unanimidade, o “Inova Pará”. Raimunda Monteiro, reitora da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), sediada em Santarém, parabenizou a iniciativa, ressaltando a importância de otimizar o investimento. “Um ponto que acho positivo é a precisão dos investimentos nos gargalos, nas partes mais frágeis”, ressaltou a reitora, que considera um “ponto ótimo” a exploração dos Parques de Ciência e Tecnologia e o uso de metodologias que privilegiam as demandas regionais.

Editais – Ainda na reunião, o diretor-presidente da Fapespa, Eduardo Costa, lançou os três primeiros editais da Fundação para este ano, que envolvem bolsas de iniciação científica, de mestrado e doutorado. Eduardo Costa aproveitou para mostrar o trabalho do órgão nos últimos anos, destacando que, em 2016, a Fapespa investiu quase R$ 19 milhões em bolsas de pesquisa e, para 2017, já estão previstos R$ 20 milhões.

Também foram discutidas na reunião do Conselho a aprovação da Resolução do Plano Diretor da Sectet 2015-2019 e a apresentação do Programa Inovatec Pará (Programa de Inovação Tecnológica para fomento de start ups (empresas em fase de desenvolvimento e pesquisa de mercado).

Além de gestores da Sectet, Fapespa e Ufopa, participaram da reunião representantes das secretarias de Estado de Turismo (Setur) e de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme); do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG); da Universidade Federal do Pará (UFPA); Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra); do Centro de Ensino Superior do Pará (Cesupa); Instituto Evandro Chagas; Instituto Tecnológico Vale; Banco da Amazônia; da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae); da Federação do Comércio (Fecomércio); Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa) e do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá).

Por Fernanda Graim

Nenhum comentário: