Google+ Badge

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Teremos PT/PMDB por mais 30 anos, um México no Brasil, o modelo é o mesmo, muito populismo


Com vantagem crescente, Dilma venceria no primeiro turno, segundo Ibope



Se as eleições fossem hoje, Dilma venceria no primeiro turno, de acordo com a mais recente pesquisa do Ibope, divulgada nesta segunda-feira (18). A presidente petista se saiu melhor que na avaliação anterior.

No cenário em que também disputam o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o governador Eduardo Campos (PSB-PE), Dilma venceria com 43% dos votos --mais que o dobro dos votos somados dos adversários. O tucano receberia 14% e o peessebista, 7%. No levantamento anterior, divulgado em outubro, a distribuição de votos entre os mesmo candidatos era de 41% contra 14% e 10%.

Com a ex-senadora Marina Silva (PSB) no lugar de Campos, Dilma também seria vitoriosa: conseguiria 42% ante 16% de Marina e 13% de Aécio.

A avaliação da gestão permanece positiva -- passou de 38% para 39% a quantidade de eleitores que considera o governo ótimo ou bom. A taxa dos que acham que a gestão é regular oscilou de 35% para 36%. A quantidade de pessoas que julga o governo ruim ou péssimo permaneceu em 26%.

MUDANÇAS

Apesar da recuperação de Dilma, o estudo revela que a maioria das pessoas deseja ver alterações no próximo governo.

Questionados sobre mudanças, 38% dos eleitores prefeririam que o próximo presidente "mantivesse só alguns programas mas mudasse muita coisa". Outros 24% desejariam que o presidente "mudasse totalmente o governo do país". Outros 23% queriam que o novo presidente "fizesse poucas mudanças e desse continuidade para muita coisa". E 12% prefeririam que ele "desse total continuidade ao governo atual".

A pesquisa Ibope foi feita em parceria com o jornal "O Estado de S. Paulo" e as Organizações Globo. Foram ouvidas pessoas em 142 municípios de todas as regiões do Brasil, entre os dias 7 e 11 de novembro. A margem de erro máxima é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, em intervalo de confiança de 95%.

FOLHA DE SÃO PAULO

Nenhum comentário: